sábado, 22 de agosto de 2009

ZANÓN É DOS TRABALHADORES

Depois de 9 anos de luta conseguimos arrancar a expropriação definitiva de nossa fábrica. Este caminho percorrido pelas operárias e operários de Zanón não teria sido possível sem antes ter tirado a burocracia sindical de nossas representações sindicais.

Primeiro, no ano de 1998 recuperamos nossa comissão interna para lutar contra as demissões, maus tratos, humilhações e por condições de segurança e higiene, contra a poli-funcionalidade, por nossos salários etc., mas sobre tudo para instaurar uma nova forma de trabalho: a democracia direta para depois no ano 2000 recuperar nosso sindicato e colocá-lo a serviço dos trabalhadores.

Nestes quase nove anos tem passado muita água por baixo da ponte. Valorizamos profundamente o apoio que temos recebido nestes anos de luta. Desde a comunidade de Centenário, Neuquén, Plottier etc, que ao final de 2001 nos apoiaram com doações de comidas ao acampamento em frente da fábrica que sustentamos durante 5 meses, até os detentos da Unidade no. 11 que se encontravam a alguns metros da fábrica e que durante 3 dias doaram suas comidas para que pudéssemos resistir.

Às mães da Praça de Maio – Regional Neuquén, que desde o primeiro dia nos adotaram como seus filhos e caminharam nas ruas junto conosco até a atualidade, resistindo junto a cada uma das 5 ordens de despejos, repressões, ameaças.

Aos companheiros e companheiras docentes de ATEN, companheiros da CTA Neuquén. E a solidariedade a nível nacional e internacional de companheiros que nunca conhecemos e que sabendo de nossa luta nos enviavam fundo de greve para resistir.

Também aprendemos a ser solidários com outros trabalhadores criando um Fundo de Greve permanente, pois sabemos que a coordenação é fundamental para o triunfo das lutas operárias. Desde os mineiros do Rio Turbio, Petroleiros de Las Heras, estatais e trabalhadores de fábricas de Neuquén e Rio Negro, Garrahan Subterráneos, Aeroviários, Ferroviários, até movimentos de trabalhadores desempregados de Tartagal e dezenas de fábricas recuperadas.

Desde o princípio abrimos a fábrica à comunidade, recebendo a milhares de crianças e adultos para que conheçam nossa experiência de luta.

Consolidamos a unidade operário-estudantil tanto com os jovens secundaristas como também com os companheiros universitários que tiveram e tem sua expressão no acordo de colaboração com a Universidade.

Realizamos festivais musicais sem a presença da polícia, com artistas regionais e grupos nacionais como La Renga, Attaque 77, Bersuit Vergarabat, León Gieco, Raly Barrionuevo, Dúo Coplanacus, dentre outros, que se solidarizaram com nossa luta deixando sua arte e solidariedade com as operárias e operários de Zanón, plasmado na comunidade de Neuquén.

Nossa luta sempre esteve baseada na prática da luta de classes, identificando os governos, as patronais e as burocracias sindicais como inimigos dos trabalhadores.

Esta experiência que construímos ao longo destes anos e com enorme consenso que tem nossa luta na província, a nível nacional e internacional pudemos mudar a posição política do governo estadual do MPN, e tiveram que apresentar e votar o projeto de lei de expropriação.
Consideramos que esta conquista que temos conseguido o conjunto da classe trabalhadora tem um valor enorme, que este governo que hoje vota pela expropriação de Zanón sob controle operário é a mesma que assassinou Teresa Rodríguez, o mesmo que reprimiu as operárias(os) de Zanón no final de 2001 e nos quis despejar 5 vezes, o mesmo que fuzilou e lhe tirou o olho a nosso companheiro ceramista Pepe Alveal na repressão do Bairro San Lorenzo, o mesmo que assassinou ao companheiro Carlos Fuentealba e o mesmo que hoje fala de paz social quando neste momento de crise econômica mundial os empresários e seus governos nos declaram a guerra com demissões, salários de fome, tarifas, etc.

As escolas e hospitais estão esgotados e a única obra que se fala é a construção de prisões para trancar nossos jovens, enquanto a cada dia morrem dezenas de famílias em incêndios de suas precárias casinhas nas favelas.

Por isso é que apesar da enorme conquista que temos conseguido, num contexto de crise econômica internacional, arrancando-lhes a expropriação a este governo, o que tem um valor muito maior, desde a gestão operaria de Zanón e o Sindicato Ceramista de Neuquén, estamos convencidos que nossa luta não terminou, por que como desde o primeiro dia consideramos que a salvação não é individual senão do conjunto da classe trabalhadora.

Companheiros e companheiras, a todos e todas os que de alguma forma tem sido parte, tem aportado seu grão de areia: compartilhamos a alegria deste grande passo!!

Aos companheiros que todavia olham desconfiados, talvez temerosos, talvez céticos, os convidamos a ser parte desta história que não é nem mais nem menos de aportar um grão de areia na transformação da realidade e retomar o sonho de nossos 30 mil companheiros desaparecidos durante a Ditadura Militar: uma sociedade sem exploradores nem explorados!!

ZANÓN É DO POVO!

Operárias e operários de Zanón – Sindicato Ceramista de Neuquén

Expropriação de Zanon - Votação do projeto de Lei de expropriação

video

Ato expropriação de Zanon - Raul Godoy

video

Raul Godoy - Secretário Adjunto do Sindicato Ceramista de Neuquén (SOECN)

sexta-feira, 21 de agosto de 2009

Ato de Expropriação de Zanon - Alejandro Lopes

video

video

Alejandro Lopes - Secretário Geral do Sindicato de Ceramistas de Neuquén (SEOCN)

Ato pela expropriação de Zanon - Mariano Pedrero

video

Mariano Pedrero - Advogado do Sindicato Ceramista de Neuquén

Marcha pela expropriação de Zanón - Mães da Praça de Maio

video

Marcha pela expropriação de Zanón - fala de Claudionor Brandão, diretor do Sintusp (Brasil)

video

Claudionor Brandão - diretor do Sindicato dos Trabalhadores da USP (Sintusp), prestando solidariedade a luta de Zanón

Notícias sobre a expropriação

TRIUNFO HISTÓRICO DOS OPERÁRIOS DE ZANON

Zanon expropiada: uma jornada inesquecível
Por Titin Moreira, PTS

“Já se passaram 8 anos, não queremos mais enrolação , queremos a expropriação”, gritavam os ceramistas de Zanon acompanhados por uma numerosa coluna de funcionários estatais, docentes, trabalhadores da saúde, organizações sociais e partidos da esquerda a caminho da Legislatura Neuquina, onde se trataria a expropriação da fábrica.

O vento patagônico soprava frio e forte, fazendo a espera em frente ao congresso provincial insuportável. Os ceramistas, que 8 anos atrás se atreveram e tomaram a fábrica, a colocaram para produzir e fizeram com que sua epopéia fosse parte das melhores páginas da história operária de nosso país, cantavam com orgulho: “aqui estão, esses são os operários de Zanon”, até enrouquecer suas gargantas.

Nos dias anteriores, Neuquén era um fervedouro. Apesar do fato de que o Governador havia se decidido pela expropriação, desde seu partido, o MPN, desde a oposição direitista e desde a mesma CGT se escutavam as queixas porque entregavam a fábrica aos “esquerdistas” incorrigíveis, aos “delinqüentes”. Não pouparam nenhuma ofensa para desprestigiar a exemplar luta ceramista. A burocracia sindical cegetista e a câmara empresária tentaram evitar que se votasse a expropriação. Mas não conseguiram.

Marcha a legislatura
Uma grande coluna encabeçada por um cartaz que dizia: “Carlos Fuentealba, presente”, era o símbolo dessa marcha. Uma frente única dos que apoiaram a luta ceramista pela expropriação, dos que lutaram também para castigar os que assassinaram o professor, lá em Arroyito. E recordaram que Carlos Fuentealba foi um das centenas de docentes que em 8 de abril de 2003 foram cercar Zanon frente a tentativa de desocupação. E subindo pela Avenida Argentina, os ceramistas faziam ouvir sua voz: “Não lhes damos trégua, que vão a merda...”, caso algum desprevenido pensasse que porque haviam lhes prometido a expropriação iam deixar de lutar e de apoiar cada luta.

Transcorria a longa e tediosa sessão legislativa, na qual haviam entrado uns 50 companheiros, uma delegação destacada dos veteranos de Zanon acompanhados das Mães da Praça de Maio de Neuquén, delegações da CTA, de trabalhadores do INDEC, do Metrô, do Estaleiro Río Santiago, de Brukman, entre outros. Enquanto isso, do lado de fora acontecia um ato no qual falaram todas as organizações políticas solidárias. Um momento muito emotivo foi quando subiram as companheiras que organizaram, 9 anos atrás, a primeira comissão de mulheres de Zanon. A mãe de Alejandro López, mostrando a primeira camisa de luta de seu filho, contou orgulhosa como começou a apoiá-los, a ele e a seus companheiros. Houve recordações (e como não haveria) para Daniel Ferrás, o jovem que morreu pela desídia patronal e foi o estandarte que conseguiu unir a força ceramista. Também para Boquita, Jorge Esparza, falecido recentemente e membro das diretivas do SOECN. A emoção era visível. E a meia-noite dessa longa jornada da quarta-feira, 12, com um frio que as fogueiras não conseguiam mitigar, votou-se a expropriação. Estouraram as comemorações. “Por fim”, gritavam, “e pensar que alguns diziam que nunca conseguiríamos”. Cantavam, saltavam, abraçavam-se e algumas lágrimas rolavam por essas bochechas curtidas. Os mais veteranos se recordavam do fim da grande greve de 2001, a dos 34 dias. Do festejo daquele triunfo, depois da grande tensão acumulada. E a comparação não estava errada. Aquela grande greve abriu o caminho ao que meses depois seria a ocupação e colocação em andamento da fábrica dos ceramistas mais importantes do país.

Lolín, uma das queridas Mães do Comahue, subiu ao cenário e com suas palavras de alento, como tantas vezes, deu calidez a essa noite gelada. Ninguém se movia e já era 1 da manhã. Quando a consígnia cantada era que “a classe operária é uma, e sem fronteiras” foi a vez de apresentar o brasileiro Claudionor Brandão, dirigente do SINTUSP, sindicato dos trabalhadores da Universidade de São Paulo, que reivindicou o exemplo de Zanon e da expropriação para centenas de milhares que perdem o emprego no Brasil. Depois falaram os dirigentes de Zanon, as figuras públicas e aqueles que têm a tarefa de manter em andamento uma empresa que dá de comer a 470 famílias, em meio à crise capitalista atual. E para reafirmar essa unidade subiram ao palco os próximos dirigentes do sindicato, que se apresentam às eleições em duas semanas pela histórica lista Marrom.

Todos os oradores agradeceram o apoio recebido aos que foi nos fazendo unha e carne, não só nesse dia, mas nesses longos 10 anos de luta, desde que conquistaram a Comissão Interna. E houve tempo para abraçar-se com os companheiros presentes da cerâmica Stefani, hoje em conflito.

Mas não dormiram nos louros. Conscientes de que a expropriação alcançada não é o fim, e que além disso, no tratamento particular, artigo por artigo, podem querer colocar alguma armadilha (como a “paz social” ou o pagamento de indenização), votaram voltar a mobilizar-se na legislatura no dia seguinte. Essa jornada é o fim de um longo vão da história, e o começo de outro não menos combativo e difícil. Porque, como repete ao cansaço Raúl Godoy, “Zanon não é uma ilha”, e que exemplo mais concreto para ilustrá-lo que a cerâmica Stefani de Cutral-Có, que está em greve há mais de um mês por uma provocação patronal. A luta de Zanon e seu sindicato continua.

Um exemplo nacional e internacional
A gestão de Zanon é reconhecida em todo o país, e teve uma importante difusão a nível internacional. Com o tempo, esse prestígio e essa transcendência, longe de diminuir, cresceram. O último ano, isso é notório. Não é mérito apenas dos ceramistas e de sua direção. É que a crise capitalista mundial, com sua seqüela de milhões de demitidos no mundo todo e milhares de fábricas fechadas, põe na ordem do dia a experiência das fábricas recuperadas na Argentina que provocou a crise de 2001 e teve difusão internacional. Há 8 anos, a estrela de Zanon brilha com mais força. Sua política de controle operário, distinta e superior à das cooperativas normais que adotou o conjunto das empresas ocupadas, seu sindicato classista, sua política de coordenação, seu método de democracia operária no qual a assembléia decide, o controle periódico permanente da base sobre a gestão da empresa, sua solidariedade militante com dezenas de conflitos em todo o país. Sua atitude de apoio a setores necessitados, fomentando sempre o que eles chamam de “o trabalho com a comunidade”, os shows com bandas como La Renga, la Bersuit, Attaque, entre outras, para que os garotos da região, seja de graça ou pagando o mínimo, possam desfrutar de shows sempre inacessíveis. Enfim, uma fábrica de ceramistas que é uma fábrica militante, e que ganhou a expropriação. Ninguém a deu de presente. Não conseguiram-na sozinhos, mas foi fundamental o apoio extraordinário que receberam de trabalhadores da região e de todo o país. “Unidade dos trabalhadores, e quem não gosta, que se foda, que se foda.” Cantam e cantam. Ganharam a expropriação. Arrancaram-na ao regime neuquino com esforço. Saem da Legislatura, contentes pela batalha ganha. A noite gelada guarda o eco desse hino de guerra de tantas jornadas, que, claro, não está e nem esteve ausente: “Viva a luta de Zanon, que viva o controle operário, porque essa fábrica é do povo, em Zanon não passarão.”

OS CERAMISTAS DE NEUQUEN SÃO UM EXEMPLO FRENTE AO FECHAMENTO DE EMPRESAS: COLOCARAM-NA SOBRE CONTROLE OPERÁRIO E CONSEGUIRAM QUE FOSSE EXPROPRIADA DOS VELHOS PATRÕES

Em Zanon, se expropriou aos capitalistas
Que os trabalhadores não paguemos pela crise. Plano de ação nacional dos sindicatos: que a CGT e a CTA não entrem no Conselho Econômico e Social do governo e das patronais. Para “combater a pobreza”: salário e trabalho para todos. Plano de Obras Públicas às custas dos lucros de banqueiros, empresários e proprietários de terras. Seguro social e salário igual para efetivos e terceirizados ou precarizados, abertura das eleições paritárias com delegados eleitos na base como reclama o novo sindicato do Metrô e seu Corpo de Delegados.

RAUL GODOY, secretário adjunto do SOECN: “Esta fábrica produziu homens livres”
Eu convido a subir os companheiros que muito em breve estarão assumindo a nova comissão diretiva e que estarão representando os operários ceramistas. Chamo o companheiro Omar Villablanca, o companheiro “Chaplin”, o companheiro Eugenio de Cerâmica do Sul, os companheiros de Cerâmica Neuquén, aos companheiros que vão ser parte da nova direção, a Chicho. Estão todos os companheiros que vão ser os novos dirigentes, para cima companheiros ativistas! Queremos que vão conhecendo essas caras.
Queremos dizer-lhes que estamos orgulhosos. Um dia foram os FILHOS à fábrica e nos disseram que reconheciam em nós seus pais, foram as Mães da Praça de Maio e nos disseram que reconheciam seus filhos nos operários de Zanon, e nos carregaram a mochila. No meio, nos ameaçaram de morte, nos atiraram balas de borracha. No meio nos atiraram balas de chumbo. E nós sentimos, companheiros e companheiras, que renascemos, que renascemos nessa fábrica, como dizia o companheiro Alejandro. Essa fábrica não produz apenas cerâmica, mas produz homens livres, que produziu um projeto, que produziu desde esse pequeno exemplo, esse grão de areia que aportamos, desde esse lugar da Argentina, desde esse lugar na Patagônia, para milhares de companheiros e companheiras em todo mundo, que é o que os operários somos capazes de fazer. Os que movemos o mundo, podemos pará-lo. Mas podemos reconstruí-lo sobre outras bases, não sobre a base da exploração. Para benefício do conjunto da humanidade, e não para o benefício de alguns poucos. Companheiros, esse é nosso grão de areia, se de algo serve esses nove anos, têm que saber que é isso: que pode servir para construir um mundo sem exploradores nem explorados. Companheiros, confiança nas próprias forças, avante operários de Zanon, e viva a luta da classe operária!Aqui e no mundo inteiro, companheiros.

MARIANO PEDRERO, Advogado do SOECN e dos operários de Zanon: “A obrigação de lutar pelo que nos diz respeito”
Companheiros, hoje constituímos um grande marco, demos um passo que arrancamos há pouco, já dizem recentemente os companheiros. E aqui dentro, na Legislatura, há alguns que na sexta-feira vão querer nos impor algumas linhas a mais. Porque querem que aceitemos a paz social. Algumas pessoas vieram até as portas daqui e falar de paz social. Veio a burocracia da CGT, que não exita todos os dias em entregar os direitos dos trabalhadores, os postos de trabalho, o salário. Que não exitou em bancar os pate-paus para tratar de tirar-nos da fábrica em 2002.
Vino Phiellip, um dos titulares da ACIPAN, das câmaras patronais, fala de paz social. Mas ele foi funcionário da Universidade na ditadura, Decano da Faculdade de Economia, nomeado pelo General Videla durante toda ditadura militar. E tem dois companheiros que desapareceram nessa faculdade.
Isso que são os patrões, e os burocratas sindicais que lhes lambem as botas, querem vir nos falar de paz social. Justo quando na província e no país há fome, há desemprego. Porque estamos, mais uma vez, em uma crise. Uma crise que todos comparam com a dos anos 30, uma crise que vai nos obrigar, aos trabalhadores e ao povo, a nos levantar. Então não podemos aceitar a paz social. Isso disse Lolín agora pouco: somos herdeiros de uma geração que lutou para mudar a sociedade, somos herdeiros de uma geração que se levantou. E em Zanon demos um exemplo, que nós trabalhadores podemos, que não temos que nos resignar, que quando um patrão fecha uma fábrica não é porque todo mundo tem moradia. Zanon não se fechou por que o mundo tem abrigo em uma casa, se nem casas tem. Quando fecha uma fábrica têxtil, não é porque todo mundo tem roupa. Quando fecha uma fábrica da alimentação, não é porque todos tem comida. Então, companheiros, não temos um direito, nós trabalhadores e o povo temos uma obrigação: ocupar as fábricas para colocá-las a produzir sobre controle operário; levantar um programa, uma perspectiva. Porque somos quem faz o mundo andar, somos os que movemos dia-a-dia esse mundo e somos os que temos uma alternativa para que nós não paguemos essa crise. Temos que levantar-nos. Zanon é um passo. Não há paz social! Há uma obrigação de lutar pelo que nos diz respeito, que é o trabalho e o pão, nosso e de nossas famílias.

ALEJANDRO LOPEZ, Secretário Geral do SOECN: “a luta de classes foi o que nos fez unha e carne”
Companheiros e companheiras: ontem nos lembramos de algumas coisas, e nos parece necessário compartilhá-las. Ontem decidimos quando saíamos daqui, da Legislatura, que é sempre bom, como trabalhadores, não nos esquecermos dos primeiros passos que demos, porque por aí pode nos subir um pouco a cabeça e nos fazer perder um pouco o contexto. Claro que estou festejando, mas temos que olhar um pouco para trás. Olhando para trás, de onde viemos, podemos entender por que chegamos até aqui.
Nós, e não nos envergonha dizê-lo, há 9 anos atrás, nos primeiros conflitos que tivemos com Zanon, como tabalhadores, como companheiros, como companheiras, tínhamos muito medo. Chegamos a fazer assembléias na porta da fábrica e não nos animávamos a sair 1 metro do portão da fábrica pra fora. Vejam esse medo, imaginem desde onde partimos. E essa realidade é a de milhares de trabalhadores hoje. Essa pressão, essa persuasão, esse fustigamento que nos fazia ter medo de andarmos apenas um metro do alambrado, imaginem quantos companheiros estão nessa situação.
Mas valeu a pena romper com esse cerco, valeu a pena sair do portão para fora. Valeu a pena sair a denunciar que trabalhar em Zanon não era um privilégio, que havia exploração. Porque aí morreram 17 companheiros, porque aí os índices de acidentes eram de 30 por mês e um fatal por ano. Onde o velho Zanon nos dava distinta cor de roupa por setor, para que nos dividíssemos e não nos conhecêssemos. Mas valeu a pena denunciar, e assim começamos a dar os primeiros passos.
E valeu a pena. Ontem dizíamos, esses primeiros passos que começamos a dar, e que nos tremiam as pernas, a medida que fomos avançando na luta nossas pernas foram se firmando, mas sobretudo, o que foi se fortalecendo em nós foi a consciência. A luta de classes foi o que nos fez unha e carne. E o fato de sermos referencia a um companheiro que é de nossa classe, por mais que esteja a milhares de quilômetros, é um salto enorme na consciência que nós demos.
E houve um grande gesto de solidariedade durante os cinco meses que estivemos nas carpas. Os rapazes privados de sua liberdade na Unidade 11, uma dessas cadeias que estão povoadas de pobres, decidiram doar durante 3 dias as rações de comida para que nós pudéssemos agüentar a luta. E vejam se não é profunda a solidariedade de classe. O companheiro Carlos Fuentealba, depois do ocorrido em Arroyito, nós nos interamos que o companheiro não só foi com os estudantes visitar a fábrica, mas que o companheiro Carlos Fuentealba também esteve em 8 de abril na porta da fábrica para nos defender.
Essas pequenas coisas, que para os trabalhadores são grandes, nós como operários não temos que esquecê-las jamais. Essas coisas tem que nos marcar pela vida toda. Porque esse caminho da luta de classes está composto por esses detalhes, por essas coisas que são fundamentais. Isso é o que nós tratamos de inculcar, como Sindicato Ceramista, como sindicato classsista, como sindicato combativo, como sindicato anti-burocrático, como sindicato que impulsiona a solidariedade de classes. Esse é o ensinamento que tratamos de dar.
Fonte: www.ler-qi.org

terça-feira, 7 de abril de 2009

Flakô, fabrica ocupada no Brasil, apoia a luta de Zanón

Camaradas,

Enviamos nossos mais cordiais e revolucionário apoio aos companheiros da Zanon, mais do que isso lembramos que é fudamental neste momento a ampliação e a discussão sobre a ocupação das fábricas e sua expropriação, através da estatização sob o controle dos trabalhadores, como um saída que tenho como objetivo a verdadeira e necessária mudança que é a completa expropriação da burguesia e do latifúndio.

Um passo a frente! Viva a luta dos trabalhadores da Zanon!

Viva a luta dos trabalhadores!

Soou a hora dos trabalhadores, querem que paguemos as contas!

Responderemos tomando as fábricas e com nossa unidade e determinação avançando e avançando!

Não passarão!


Pedro Santinho

Coordenador do Conselho de Fábrica da Flaskô

Movimento de Fábricas Ocupadas


http://www.defenderaflasko.blogspot.com/

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2009

Zanón inspira outra gestão operária em Neuquén

Coletiva de Imprensa da Cerámica del Sur sob controle operário

Na quinta-feira, 22 de janeiro de 2009, os operários da ex-Cerámica del Sur sob gestão operária, agora "Cooperativa CONOCER", junto ao Sindicato Ceramista de Neuquén, realizaram uma coletiva de imprensa nas instalações da fábrica para anunciar a sua reabertura sob gestão de seus trabalhadores.

Os operários manifestaram que depois de vários anos de luta, e novamente imersos numa crise econômica internacional, esta é a resposta que temos os trabalhadores ante o fechamento de nossos postos de trabalho. "Fábrica que se fecha é fábrica que se ocupa e se põe a produzir sob o controle de seus trabalhadores".

É um crime que se feche a única fábrica de tijolos que existe na cidade de Neuquén, enquanto que o déficit habitacional, que padece a sociedade neuquina, está acima de 60.000 casas. Assim como fazem os operários de Zanón, se exigirá que se reative a obra pública comprando o seu material.

Graças a luta que deram os companheiros junto ao Sindicato Ceramista de Neuquén, hoje se pôde reabrir a fábrica, conservar os 15 postos de trabalho e num futuro próximo gerar novos postos de trabalho.

Também a fábrica estará aberta à comunidade para que possam visita-la e adquirir material que fabricam e que estão a disposição para a venda.

Conhecer nossa história

Começaremos agradecendo aos companheiros que permitiram com que a gestão operária deixasse de ser um sonho para converter-se, nestes tempos de crise e fechamento de fábricas, numa realidade concreta. Isso confirma mais uma vez que a vontade, a força de nossas ideias e nossos braços são e serão sempre a melhor resposta ante a opressão patronal e a demonstração de que a solidariedade nos fortalece.

Agradecemos ao conjunto dos trabalhadores, organizações políticas, de direitos humanos, estudantes e a toda comunidade.

Nossa história não começa hoje. Muitos anos de super exploração gestaram este projeto. Duras batalhas contra o patrão e a burocracia dos Montes forjaram nossa consciência. Fomos parte do processo de recuperação do sindicato, acompanhando os operários de Zanon neste luta. Durante quase 6 anos esta fábrica permaneceu fechada e esvaziada pela patronal e, como não podia deixar de ser, a luta dos operários mais antigos, os mais convencidos e perseverantes, deu um primeiro resultado: a reabertura da planta em fevereiro de 2007. Nesse ano transcorrido nada foi tranquilo: demissões, baixo salários, resistência, marchas, etc.

Fiel a sua condição, nosso ex-patrão, optou em agosto de 2008 pela demissão massiva de todo o pessoal anunciando o fechamento definitivo da planta. Nós os operários demos um passo além: ocupamos a fábrica porque, como sempre dissemos, é um crime fechar uma fábrica de tijolos com a necessidade de casas que sofrem dezenas de milhares de famílias... e uma idéia ficou em nossas mentes: "fabrica que fecha é fabrica que se recupera sob gestão de seus trabalhadores". Desta maneira os trabalhadores da Cerámica del Sur, agora Cooperativa Conocer, vamos seguir os passos dos operários de Zanón e de centenas de trabalhadores que desde há um ano nos marcaram qual era o caminho, escrevendo uma nova história...

Trabalhadores da Cerámica del Sur sob gestão operária

quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

URGENTE - Campanha contra a demissão de um dirigente Sindical da USP

ABAIXO-ASSINADO CONTRA A DEMISSÃO DO DIRETOR
DO SINTUSP CLAUDIONOR BRANDÃO

Favor enviar adesões para:
com cópia para contraademissaodobrandao@yahoo.com.br

No dia 09/12/08, a reitoria da Universidade de São Paulo alegou demissão por justa causa a Claudionor Brandão, diretor do SINTUSP e representante eleito dos funcionários no Conselho Universitário. Essa medida faz parte de um processo de perseguição e punição a setores do movimento operário, estudantil e de movimentos sociais.
Brandão fez parte, em diversos momentos, das lutas em defesa da universidade pública e da educação de qualidade e é por esse motivo que agora a reitoria da USP tenta colocá-lo na cada vez mais longa lista de demitidos políticos pelo país a fora.
Como delegado sindical e diretor do SINTUSP eleito em fóruns da categoria, Brandão sempre esteve à frente da defesa dos interesses do conjunto dos trabalhadores da universidade, se pautando em deliberações legitimamente tomadas pelos trabalhadores em suas assembléias e instâncias de decisão.
Por tudo isso, as entidades, associações e movimentos abaixo-assinados REPUDIAMOS A DEMISSÃO do diretor do SINTUSP Claudionor Brandão, que é inconstitucional porque desrespeita seu direito à estabilidade. Se trata de um ataque duríssimo à liberdade de organização sindical e política dos trabalhadores, estudantes e ao próprio SINTUSP.
Exigimos a REINCORPORAÇÃO IMEDIATA E INCONDICIONAL de Claudionor Brandão aos quadros da universidade e a retirada de todos os processos administrativos e sindicâncias aos estudantes, trabalhadores e professores que lutaram em defesa da universidade.

NOME UNIDADE RG/N°________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

sábado, 29 de novembro de 2008

Comunidado desde Zanón

À comunidadeActualidade

Uma nova crise econômica internacional começa a golpear o mundo e em nosso país. Durante este ano, se perderam mais de 70 mil postos de trabalho, a maioria na construção civil. Mas isto já começou a afetar a todos os ramos da produção e também os serviços. Mais uma vez, como nos anos anteriores, as manchetes dos diários e de todos os meios de comunicação anunciam demissões, suspensões, preventivos de crise, etc.
Por outra parte escutamos somente declarações das centrais sindicais sem tomar uma só medida, inclusive retrocedendo nas reivindicações salariais e de direitos.
Os governos, tanto nacional como provinciais, começam planos de salvamentos milionários para as grandes empresas.
Neste marco de uma nova crise econômica os operários e operárias de Zanón, depois de 7 anos de luta, temos conseguido impor na agente provincial a discussão da expropriação de nossa fábrica.
Quando a família Zanón a fechou, em plena crise de 2001, fomos nós operários quem pusemos a produzir a fábrica para defender os 260 postos de trabalho. Enfrentamos o boicote, tentativas de despejos e quiseram leva-la a leilão. Durante estes anos, e produto de nossa luta, se confirmaram nossas denuncias e a família Zanon foi processada por esvaziamento, lock out patronal e recentemente por evasão fiscal e tributária. A “justiça” nos deu razão, mas nenhuma solução.
Por isso fomos nós os que a pusemos em marcha. Durante todos estes anos não recebemos nenhum tipo de ajuda dos governos. Nem créditos, nem subsídios, nem nada. Com nosso esforço e o apoio da comunidade a fomos levando e criando postos de trabalho genuínos diretos e milhares de indiretos: pedreiras, fretes de caminhões e caminhonetas, a fábrica de caixas, e a compra de todos os insumos e matérias primas, etc.
Todos estes anos trabalhamos solidariamente com a comunidade. Com a construção de um Centro de Saúde, casas, doações mensais permanentes a escolas, hospitais, restaurantes, creches, famílias, etc.
Nosso projeto de lei é simples: que a fábrica se exproprie e fique em mãos do estado. Não queremos ser empresários nem donos. Que a produção se ponha a serviço de um plano de obras públicas de casas, escolas e hospitais para a comunidade e que o estado, garanta os salários e as condições para trabalhar. Essa expropriação tem que se fazer sem pagamento porque nem a população, nem os trabalhadores de Zanon, nem o Estado tem porque fazer cargo da dívida fraudulenta do grupo Zanón.
O governo e a maioria dos deputados consideram que a fábrica tem que passar a nossas mãos e que a expropriação tem que fazer-se sem indenização. Com sempre, nós estamos dispostos a debater as distintas idéias mas sempre sobre a base de defender os interesses dos trabalhadores e a comunidade. Nosso projeto foi apoiado por milhares de assinaturas e escrito com a universidade.
A crise econômica mundial já atinge a Argentina. Os patrões estão despedindo e suspendendo para manter seus lucros.
Inclusive as grandes Citabank ou General Motors. Os governos colocam milhões em resgates e subsídios de todo tipo.
Os operários e operárias de Zanón, que já resistimos a crise de 2001, ocupando a fábrica e colocando-a em produção, salvando nossos postos de trabalho, não podemos ser empurrados à rua novamente.
Justamente ante esta crise onde as empresas maiores e concentradas recebem milhões de dólares para salvar seus lucros, os trabalhadores temos que exigir ao governo subsídios e as garantias para poder trabalhar, para manter nossas fontes de trabalho.
Não para nos enriquecer como eles, senão para poder produzir sem pagar contas milionárias do gás ou luz que eles não pagam e seguir mantendo a fábrica a serviço da comunidade.
A crise econômica que já estão pagando os trabalhadores, nós já a passamos uma vez, e somos totalmente conscientes que os trabalhadores NÃO somos responsáveis da crise. Por isso que lhes reclamamos ao governo provincial e também ao nacional, as garantias para não por em risco uma vez mais nossa fábrica com seus mais de 450 postos de trabalhado.

Operárias e operários de Zanon – Sindicato Ceramista de Neuquén.

segunda-feira, 17 de novembro de 2008

Atividade sobre Zanon acontece na Unicamp nesta quinta


VÍDEO-DEBATE !

FASINPAT(FÁBRICA SEM PATRÃO) DANIELLE INCALCATERRA, 64 min;

Documentário sobre Zanón, fábrica de Cerâmica no sul da Argentina, que os trabalhadores tomaram durante a crise de 2001 e que permanece hoje sob controle operário. Essa atividade faz parte de uma campanha internacional em defesa de Zanon, pela expropriação definitiva da fábrica. Zanón não se vende, não se compra, se expropria! Conheça e apóie essa luta.

Saiba mais: zanonsobcontroleoperario.blogspot.com

FRENTE À CRISE ECONÔMICA,
TOMAR A FÁBRICA É A SOLUÇÃO!
NESTA QUINTA, DIA 27, 18:00 HORAS
Auditório IFCH – Unicamp

ORGANIZAÇÃO:
Liga Estratégia Revolucionária e Movimento A Plenos Pulmões

quarta-feira, 12 de novembro de 2008

Moção Plenária de Estudantes Unesp/Fatec

Nós, estudantes da UNESP/FATEC, reunidos em plenária, expressamos nosso apoio, assim como do nosso DCE, com a luta dos operários de Zanon.

Zanon é uma fábrica de cerâmica localizada na cidade de Neuquén, sul da Argentina, que há sete anos vem produzindo sob controle dos próprios trabalhadores, sem patrões e com tudo decidido em assembléias. Dessa forma garante-se os empregos dos trabalhadores, além de colocar a fábrica sob os interesses do povo pobre da região, pois a fábrica contribui com doações de cerâmica aos hospitais e escolas da região.

Para nós, Zanon é um exemplo vivo para os operários de todo o mundo, principalmente em tempos de crise econômica, quando os empresários vão querer descarregar seus efeitos nas costas dos trabalhadores, com cortes de salários, redução de direitos e demissões.

É importante salientar que a luta para que Zanon produzisse sob controle dos operários contou com o apoio dos estudantes da região. Provando dessa forma a importancia da aliança estratégica entre estudantes e trabalhadores.

Todavia, nesse momento, encerrou o prazo que a justiça havia concedido para que zanon continuasse produzindo, por tanto a gestão operária da fábrica está ameaçada. Nesse sentido, mais uma vez reafirmamos nosso apoio a luta e resistência dos operários de Zanon e repudiamos qualquer tentativa de desalojamento. E nos colocamos lado a lado na luta pela expropriação definitiva da fábrica sem indenização e sob controle dos trabalhadores.

Plenária dos estudantes da UNESP/FATEC

S.José do Rio Preto, 19 de outubro de 2008

sexta-feira, 7 de novembro de 2008

LANÇAMENTO FILME: Fasinpat




















Fasinpat
Danielle Incalcaterra
(2004), 64 min.

O documentário da italiana Danielle Incalcaterra retrata os primeiros meses da gestão operária na fábrica Zanón, localizada em Neuquén, Argentina. Como resposta aos ataques da patronal e a ameaça do desemprego, os operários ocupam as instancias da fábrica e dão início a gestão operária. O filme retrata as dificuldades e avanços desta experiência em seus primeiros meses: os problemas com a produção; as primeiras conquistas econômicas; a projeção nacional e internacional da fábrica; os ataques da polícia, da patronal e da justiça; o apoio da comunidade... Uma história que transcende a fábrica, retratando uma experiência de luta operária em torno de um programa classista diante de um país embebido em sua crise capitalista.

Valor:
R$ 10,00 (+ correio)

Tradução:
Ler-qi e movimento a plenos pulmões


Adquira o seu DVD, ajude a divulgar a Campanha em Defesa da Gestão Operária de Zanon e pela sua Expropriação Definitiva. Exiba em seu trabalho, escolas e universidades, centros culturais e políticos...

Para comprá-lo envie um email para:


OBS: nos envie no email o endereço de envio do(s) DVD(s) para que possamos calcular o frete.

Moção apoio CASS - PUC-SP

MOÇÃO DE APOIO AO CONTROLE OPERÁRIO DA FABRICA ZANON - ARGENTINA

31/10/2008

A gestão “MARIA PRA RETOMAR A HISTÓRIA” do CASS (Centro Acadêmico do Serviço Social) quer registrar seu total apoio e solidariedade aos trabalhadores e militantes da fabrica FaSinPat (antiga Zanon) pela luta e resistência desde 2001, quando ocuparam a mesma tornando-a uma unidade produtiva a serviço da comunidade e não reproduzindo a exclusão do sistema capitalista.

Entendemos que a luta operaria é unida a luta estudantil por uma nova visão e transformação efetiva de sociedade. Acreditamos ainda que seja de direito de todo trabalhador a reivindicação por direitos e por mudanças conclusivas em defesa de seus salários, já que são obrigados a vender sua força de trabalho para poder sobreviver.

"As bandeiras de Zanon são um verdadeiro programa para os trabalhadores frente aos ataques que virão. O rechaço conseqüente contra os ataques; a convicção que a crise tem que ser paga pelos empresários que a provocaram e não os trabalhadores; a necessidade de abrir os livros de contabilidade se os patrões alegam crise; a coordenação efetiva; a unidade das fileiras operárias; e se há demissões ou fechamento de fábrica impor a produção sob controle operário”. (Raúl Godoy, trabalhador da fábrica e dirigente do PTS)

Lutar por uma sociedade mais justa onde os que erram assumam as devidas conseqüências é o que propomos em conjunto a essa bandeira tão importante para o presente e futuro da classe trabalhadora.

Marca profunda na historia de movimentação operaria, a reivindicação dos trabalhadores da FaSinPat e todas aquelas que compreendem a relações capitalistas como atraso na transformação societária tem nosso profundo apoio, nossos braços e pernas.

terça-feira, 28 de outubro de 2008

Atividade da Campanha de Zanon

Na sexta-feira, dia 24 de novembro, no Centro Acadêmico de Ciencias Sociais (CACS) da PUC-SP, foi realizada uma atividade em apoio a luta de Zanon. Foi uma atividade social bastante movimentada, com roda de samba, cerveja, cartazes sobre Zanon e exibição do filme Fasinpat.

O interesse sobre a gestão operária na fábrica Zanon vem aumentando entre os estudantes e trabalhadores que tomam contato desta campanha. No Congresso de Estudantes da Unesp e Fatec que aconteceu recentemente na cidade de São José do Rio Preto também se realizou a exibição e discussão do filme de Zanon com 50 estudantes. O debate durou mais de 1h30 e uma lista foi preenchida de companheiros que desejam viajar até Neuquén para conhecer pessoalmente a fábrica ocupada e gerida por seus trabalhadores.

Fotos da atividade na PUC-SP











quarta-feira, 22 de outubro de 2008

Informe desde Zanon

Processaram por evasão tributária a ex-diretores de Zanon

EXPROPRIAÇÃO SEM INDENIZAÇÃO COMO UM ATO DE JUSTIÇA!!!

Segundo a agência de notícias DyN “ justiça Federal de San Isidoro processou a ex-diretoria da falida empresa Zanon por delito de evasão tributária agravada... A lista inclui dois ex-diretores e seis integrantes da diretoria. As fontes explicaram que o julgamente foi conseqüência do desastre econômico da empresa, que terminou falindo e cuja planta em Neuquén é autogerida pelos trabalhadores”.

Depois de 10 anos de luta aonde viemos denunciando o esvaziamento e as manobras econômicas por parte de Zanon e seu grupo econômico, agora como produto de nossa luta tiveram que reconhecer semelhante fraude. Estes empresários amparados sempre pelo poder político de então, tiveram total impunidade para roubar não somente os operários senão a toda a comunidade de Neuquén.

Por isso nossa reclamação é completamente legítima: expropriação sem indenização e sob gestão dos únicos que soubemos defender esta unidade produtiva à serviço da comunidade, os trabalhadores.

Já não ficam excusas, a família Zanon e seu grupo econômico devem responder com suas propriedades e seu patrimônio a este roubo.

A fábrica deve ser expropriada sem pagamento e sob controle operário, como um ato de justiça para que fique definitivamente à serviço da comunidade.

ZANON BAJO GESTION OBRERA - SINDICATO CERAMISTA DE NEUQUEN

terça-feira, 21 de outubro de 2008

Informe de imprensa

NeUQUEN, 21 DE OUTUBRO 2008

ZANON, continuamos a luta pela expropriação definitiva

Ontem se venceu o prazo da nossa Cooperativa Fasinpat, por falta de respostas do governo provincial e nacional a nossa reclamação de Expropriação definitiva, o conflito segue aberto.
Mais de 7 anos de controle operário a serviço da comunidade, os 470 trabalhadores ceramistas convocamos pela manhã a uma conferencia de imprensa para anunciar que a luta continua.
Por um lado o juiz do leilão no comercial Rafael Barreiro deve resolver nestes dias o pedido de prorroga por um ano mais, que pedimos para continuar com a cooperativa Fasinpat administrando a fábrica até que consigamos a expropriação. Enquanto não chega a solução, a cooperativa continua em funcionamento.
E pior cenário político seria que o Juiz Barreiro resolvesse ir contra os trabalhadores e ditasse a posse por parte do sindico para avançar no leilão da fábrica.
Em Neuquén o governo Jorge Sapag, depois de 10 meses de gestão manifestou que agora tem vontade política de trabalhar na Expropriação de Zanon, mas até agora não se tem avançado em nada de concreto. Na semana passada se comprometeu o ministro Jorge Tobarez em começar a realizar uma avaliação da fábrica, mas ainda o dia de ontem não tem começado.
A situação política-econômica para os trabalhadores não é a mais favorável, estamos no meio de uma crise financeira mundial que novamente tentarão pagar aos trabalhadores e o povo, esta crise gera pelos governos de então e seus empresários.
Este governo provincial de Jorge Sapag vem de reprimir a famílias sem vivendas em Neuquén, entregou os recursos naturais da província por 20 anos mais e votou a favor a estatização da dívida milionária de Aerolíneas Argentinas.
Leva sete anos sem soluções à gestão operária de Zanon o que demonstra sua falta de vontade política.
Por isso, para além dos discurso e compromissos mantemos nosso plano de luta junto as organizações regionais e nacionais que nos vem apoiando para conseguir a expropriação definitiva de Zanon.
Imprensa e difusão, operários de Zanon.


Alejandro Lopez 0299154299136
Raul Godoy 0299154052657
Alberto Esparza 0299154299136

sábado, 18 de outubro de 2008

Comunidado de imprensa de Zanon

Sábado, 18 de outubro de 2008-10-18

Comunicado de Imprensa

Nesta segunda-feira, 20 de outubro, conferência de imprensa junta a todas as organizações da região às 10 horas na fábrica
(rodovia KM 7, Parque industrial, Neuquén)


Na segunda-feira, 20 de outubro, vence o prazo de Fasinpat para administrar a ex-cerâmica Zanon. A gestão operária que levamos adiante os 470 trabalhadores ceramistas durante mais de 7 anos está numa etapa de definições.

Por um lado apresentamos o pedido de prorrogação ao juiz comercial n. 18 de Buenos Aires, para continuar a administração da cooperativa por mais um ano, o juiz deve resolver durante esta próxima semana.

Aqui na província o governo provincial reconhece que o projeto de lei de Expropriação é a saída mais viável ao conflito. Esta decisão se conseguiu com um grande trabalho de solidariedade e luta de toda comunidade. É importante dar-lhe continuidade até conseguir a votação do projeto de Expropriação na Legislatura provincial.